Alegretense, Adriano Duarte: o Kaká dos Teclados

O alegretense Adriano Duarte é contador e músico, carinhosamente conhecido entre os amigos e familiares por “Kaká”, é hoje uma referência nos teclados.

Atualmente com 35 anos, de família já tradicional na música alegretense, cresceu vendo o pai Cléo Duarte tocar violão diariamente em casa.

“Era como um compromisso firmado, eu sabia que todo final de tarde ele ia chegar e tocar o violão que ficava encostado na parede ao lado do sofá”, relembra Adriano.

Até que um dia, enquanto o pai trabalhava, resolveu pegar aquele violão e dar as primeiras dedilhadas.

Aos poucos foi se interessando, perguntando uma coisa aqui e outra lá e com a ajuda dos “velhos” livrinhos de músicas cifradas, onde tinha os desenhos dos acordes, aprendeu os primeiros acordes no violão; instrumento que aprimorou com o passar dos anos de forma autodidata.

Com o tempo encontrou o teclado, instrumento que estudou e toca até hoje. São mais de 20 anos.

Atuando por diversos palcos do estado do Rio Grande do Sul, Kaká é um músico eclético e teve a oportunidade de acompanhar diversos intérpretes conhecidos do cenário musical do Rio Grande do Sul, tendo arranjos premiados em diversos festivais. O Portal Alegrete Tudo bateu um papo com o Rei dos Teclados de Alegrete.

Confira a entrevista:

 

Portal: Como iniciou essa história dedicada aos teclados ?

Kaká: Aos 12 anos de idade comecei a me interessar pelas teclas: piano, acordeon, teclado. Tudo me chamava a atenção. Meu pai então me colocou para estudar teclado com Fernando Crispim do Rio, pessoa o que tenho  imensa admiração pois me orientou com excelência para esse caminho das teclas.

Portal:  Na tua infância tu já gostavas de brinquedos musicais ou tua paixão pela música foi em outra fase da tua vida ?

Kaká: Vem de infância mesmo, adorava ganhar brinquedos musicais.

Portal: Seguidamente participas de eventos musicais na cidade e até fora. Como tu avalias esse movimento no município ?

Kaká: Cada vez mais forte. Essa turma nova de músicos que temos na cidade é batalhadora, corre atrás e faze a coisa acontecer. Temos como um exemplo bem atual a AFAC – Associação dos Amigos do Festival Alegretense da Canção, criado nesta semana para somar esforços junto aos organizadores e demais apoiadores culturais, com o intuito de fortalecer ainda mais o nosso FAC.

Portal: Um bom teclado custa caro?

Kaká: Infelizmente no Brasil os músicos precisam tocar muito até juntar o montante necessário para aquisição de um bom instrumento. Eu mesmo precisei fazer um financiamento para adquirir meu primeiro teclado profissional.

Portal: Como é tua rotina de tecladista? Toca em alguma banda?

Kaká:Durante a semana o tempo é curto devido a minha rotina de trabalho como contador, mas quando tenho show com alguma banda a corrida é inevitável. Saio às 18hs do trabalho, troco a roupa e já vou para o ensaio. Tiro as músicas do repertório aos finais de semana, que é quando dá tempo. Não tenho banda, sou um músico freelancer, toco para a banda ou para quem me contrata. Atualmente faço parte da banda base do Gui Mendes, mas contribuo para os Amigos do Ponto, Tcheroots, BlackStone e Filipi Coelho.

Portal: Quais os requisitos para iniciar nessa arte ?

Kaká:Vontade e dedicação.

Portal: A noite alegretense tem espaço para um tecladista se dar bem com apresentações em barzinhos ?

Kaká:Tem sim, basta querer.

Portal: E os festivais ? Quais são tuas conquistas e aprendizado nessa estrada musical ?

Kaká: Sou um músico apaixonado pelos festivais, neles fazemos amigos, trocamos experiências, montamos bandas e ainda fazemos o que amamos: a música. Essas são as maiores conquistas dos festivais, a premiação é apenas um detalhe.

Portal: Nesse contexto musical local qual a tua melhor participação com os teclados ? Alguma lembrança especial do Adriano Duarte ?

Kaká: A música me proporcionou diversos momentos especiais, porém um deles foi muito mais do que especial, foi diferente e muito emocionante. Foi quando a convite dos meus amigos músicos e professores Filipi Coelho e Edinho Dorneles participei do Fone Music Festival acompanhando alunos da Escola de Música Oficina do Som. Entre esses alunos estava meu filho Matheus, aluno de bateria da escola. Aquela seria a primeira vez que dividiríamos o palco. Num primeiro momento achei que seria normal dividir o palco com ele e demais alunos da escola, porém este momento “normal” se tornou inesquecível para mim. Quase não acabei a música de tão emocionado naquele dia.

Portal: Tu se especializou ou é dom mesmo ?

Kaká:Os dois. Venho de uma família de músicos, mas o estudo do instrumento é sempre importante, estudo até hoje.

Portal: Que tipo de música tu adotàs como teu estilo ?

Kaká:Diferente do músico cantor que precisa ter um estilo, no meu ponto de vista o músico instrumentista não necessariamente precisa ter um estilo. Sou um músico sem estilo, por ser eclético e escutar de tudo, me sinto confortável de tocar qualquer estilo de música.

 

Portal: A sensibilidade de um tecladista é o ponto forte. Como tu trabalhas esta parte para poder tá 100% ?

Kaká: Não tenho preconceito por estilo, cantor ou banda. A música é música em todo e qualquer estilo e lugar do planeta. Temos coisas boas e ruins em todos os estilos. Quando eu ouço uma música, procuro escutar a música, o arranjo, a execução, a melodia, a voz… é a união disso tudo que nos dá o conforto ao ouvido. Se me fez bem para o ouvido, é bom! É dessas coisas boas que escuto que tiro a inspiração para estar sempre 100%.

Portal: Qual a mensagem que tu deixarias para aqueles que apreciam a boa música ao som de um teclado ?

Kaká:Minha mensagem vai para os pais. Música é Arte, Arte é Cultura, Cultura nos engrandece como ser Humano. Incentive seu filho a tocar um instrumento, ouvir uma música. Antes de desembolsar uma bela grana no vídeo game do momento, no tablet ou celular da moda, pergunte ao seu filho se ele não aceita um violão, uma flauta, um teclado ou qualquer outro instrumento musical. Garanto a você que não estará pondo dinheiro fora e sim fazendo um investimento no futuro do seu filho. Cultura é Conhecimento.

Por: Júlio Cesar Santos                        Fotos: acervo pessoal





Curta nossa Fan Page





Comentar com Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *