Cão morre depois de ter sido queimado vivo em Santa Maria

Animal foi resgatado ainda com vida pela Brigada Militar no domingo, mas não resistiu e acabou morrendo na segunda-feira

caomorre

Mais um caso de maus-tratos aos animais chocou a população em Santa Maria. No início da noite de domingo, a Brigada Militar resgatou um cãozinho que havia sido queimado vivo. O caso ocorreu por volta das 19h, em um terreno atrás de um posto de combustíveis, localizado na Avenida Pedro Cesar Saccol, no bairro Agroindustrial, próximo à entrada para o bairro Tancredo Neves.

 

De acordo com o policial militar Cláudio Roberto Coelho de Oliveira, 29 anos, que atendeu à ocorrência, uma criança de 9 anos e dois adolescentes, de 15 e 17 anos, teriam envolvimento com o crime.

 

Segundo o PM, um funcionário e um segurança do posto avisaram a BM sobre o ocorrido e pediram apoio, mantendo os menores no local até a chegada da guarnição.

 

– A princípio, a adolescente de 17 anos é quem teria ateado fogo contra o cão. Chegamos lá, e ele estava amarrado a um ônibus velho, de desmanche, mas o fogo já havia sido apagado. Ele estava amarrado em local de difícil acesso. Precisamos da ajuda da Guarda Municipal para retirá-lo dali e transportá-lo para atendimento veterinário. Entrei debaixo do ônibus, tirei o cachorro dali, peguei ele no colo e coloquei na viatura. Um cão extremamente dócil, educado e carinhoso – relata o soldado.

 

Em relato na delegacia, a adolescente de 17 anos teria confessado que colocou fogo no animal. Segundo o PM, ela relatou que a tia havia ganhado o cão, mas que, como ele estava doente, pediu às crianças para se desfazerem do animal e largá-lo em algum lugar.

 

A adolescente teria, então, pedido à criança e ao outro adolescente que lhe esperassem perto do ônibus.

– O menino de 9 anos estava bem assutado. Ele nos disse que ela só ataria o animal em algum lugar, mas ficaram preocupados ao ouvir os gritos do animal. Eles tentaram fugir e foram detidos pelo pessoal do posto, que percebeu o que havia acontecido. Colocaram esponjas debaixo dele para pegar fogo mais rápido. A gente fica fragilizado e chocado pela maneira como ocorreu e por ter crianças envolvidas – comenta, ainda emocionado, o soldado.

O animal foi levado para atendimento veterinário, onde foi medicado e estava em tratamento para dor e ferimentos. Mas, de acordo com a veterinária que o atendeu, ele começou a passar mal durante a madrugada desta segunda-feira, apresentando vômito, diarreia e sangramento. Por volta do meio-dia, o cãozinho não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo.

– Fizemos de tudo, a gente tinha esperança de que essa história ia ter um final feliz e que ele ia se recuperar. Demos banho nele ontem de noite, e ele até abanava o rabinho. É muito triste ver uma coisa dessas acontecer, estamos em choque ainda – desabafa a veterinária Marlene Nascimento.

Em agosto de 2015, outro cão foi queimado vivo por um vizinho em Santa Maria. Depois de passar por cirurgia, Bud sobreviveu e foi devolvido ao seu lar, onde vive até hoje.

Segundo o soldado Cláudio, a criança e os adolescentes foram levados até a Delegacia de Polícia de Pronto-Atendimento (DPPA), de onde a BM acionou o Conselho Tutelar e a mãe de uma delas. O registro não chegou a ser feito na Polícia Civil em função da greve dos servidores estaduais contra o parcelamento dos salários. Um Termo Circunstanciado foi firmado entre os envolvidos, e os menores foram entregues aos responsáveis.

– Eu queria adotar ele, sabe. Até tinha comentado com a minha esposa e com meus filhos. É uma pena tudo isso. Fiquei bem chateado. Fizemos de tudo. É triste porque eu achei que ele tinha recuperação, apesar de tudo – disse Cláudio. Após saber da morte do animalzinho, o PM fez um relato emocionado sobre o caso em seu perfil do Facebook:

“Eu queria dar uma notícia linda, dizer que está tudo bem, que a recuperação do cão de ontem está encaminhada, porém, infelizmente, tenho que informar aos amigos a triste notícia que o cão que sofreu todos esses maus tratos, faleceu em torno das 12h de hoje. Sofreu muito ainda durante a madrugada, tendo vômitos, diarreia, sangramento, não se sabendo ao certo se o mesmo não sofreu também espancamentos ou tenha sido envenenado. Deixo a minha tristeza, lágrimas e dor no coração com a imagem de crianças que estão se afastando do bem, e afastando nossa esperança de um futuro melhor… Obrigado a todos os amigos pelas mensagens de apoio e, principalmente aos envolvidos nesse trágico episódio, SD Ortiz, guarda municipal Sadi Correia, Sra Marlene Nascimento e suas colegas, além de outros envolvidos. 

Difícil falar sobre e não conter as lágrimas. Ao menos nisso fico feliz em saber que estou educando bem meus filhos, pois a Vitória, minha filha de 8 anos, sem entender muito o que ocorreu, apenas me vendo chorar, chora comigo e me consola…”

*As imagens do resgate do cachorro queimado são fortes e muito chocantes. Por esse motivo, o Diário optou por não divulgá-las. 

 



Curta nossa Fan Page



Comentar com Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *