FEPAM afirma; carreta tombada com diesel na 290 ainda oferece riscos de explosão




Carreta Scania que tombou no acostamento da BR 290, em Alegrete, será removida nesta manhã do local. Durante a retirada poderá ocorrer o bloqueio total da pista – segundo a PRF. A reportagem falou com o chefe de divisão de emergência ambiental da FEPAM, Vilson Dutra Filho, para saber dos impactos ambientais e dos riscos de um acidente envolvendo um veículo com mais de 40mil litros de conbustíveis.

” O risco de explosão é muito grande devido ao vapor que sai do tanque” disse Vilson Dutra Filho.

Uma equipe está no local desde que foi comunicada do acidente com uma carreta que transportava combustível, que ocorreu no último domingo(5). Durante o primeiro dia foi feita a retirada dos 15mil litros de óleo diesel que vazou da Scania e ficou à margem da rodovia.

A área foi isolada e até a manhã de ontem(6) o trânsito estava em meia pista. Depois do recolhimento do óleo, iniciou o transbordo do combustível que ficou no tanque. Já na parte da tarde foi realizada a limpeza da pista e depois de retirada a carreta, o que deve acontecer nesta manhã, será feita a avaliação do impacto ambiental no local.

Vilson esclareceu que a equipe da FEPAM fica monitorando o trabalho para ter a certeza de que todos os cuidados necessários serão tomados, assim como, o trabalho deve ser realizado por uma empresa especializada. “Os equipamentos para fazer esta retirada são de extrema importância, pois o contato e a inalação do benzeno por muitas horas sem a mascara, é prejudicial a saúde já que é um produto cancerígeno” – informou.

Além disso, para deEstômbar carreta é necessário que todo combustível seja retirado e aterrar o tanque. Os técnicos vão verificar o quanto o solo foi contaminado, e na sequência será feita a retirada da área afetada e encaminhada para um aterro especializado para resíduos perigosos. O transpotratador é  responsável por todo o custo do trabalho e neste caso, pode custar em torno de 25 mil reais.

Outra explicação é que todo os veículos que realizam o transporte de combustíveis, saem de uma base e são reforçados para que, em casos de acidente, não ocorra vazamentos. Na carreta que tombou na 290, o óleo vazou por uma tampa e por um período continuou o vazamento e isso ocasionou gases no local. Este é o maior risco para incêndios e explosões – argumentou Vilson. Por esse motivo ate mesmo os caminhões tanques que estão vazios são altamente perigosos. “É necessário fazer a desgaseificação dos tanques quando estão vazios, para que não aconteça incêndios e explosões pelo vapor” – explicou.

A Polícia Rodoviária Federal também permanece no local.

O acidente aconteceu por volta das 4h de domingo (5) no KM-625, da BR 290. O motorista relatou aos policiais que perdeu o controle da direção e o veículo tombou no acostamento. Ele teve escoriações e a carreta perda total.

Inicialmente a informação era de que a carga continha apenas diesel, mas estava composta também por gasolina.
Eram  24.000 litros de gasolina e 10. 000 de diesel S10 e 13.700 de diesel comum.

Fotos: PRF





Curta nossa Fan Page





Comentar com Facebook

1 Comentário

  • Ari Quadros

    Não é a primeira vez que tomba uma carreta com líquido inflamável no acostamento da BR-290, no percurso entre Alegrete e Uruguaiana, donde se conclui facilmente que há necessidade de uma fiscalização mais rigorosa em relação à circulação desses veículos em nossas rodovias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *