Guarda de Trânsito detecta anormalidades na condução e alterações na frota de motos


A velocidade máxima, tanto para o tráfego de carros como de motos dentro do perímetro urbano, varia de 20 a 40Km por hora.

Porém, é visível que, principalmente, alguns motociclistas exageram ao rodar em alta velocidade, o que se torna um ato perigoso, no trânsito, em que esses condutores podem provocar ou sofrer acidente.

Uma leitora flagrou dia 4, no inicio da Avenida Assis Brasil, dentre três motociclistas um, que de acordo com o vídeo estava em alta velocidade. Os moradores daquela região da Avenida questionam o pedido, desde a administração anterior, da colocação de um redutor de velocidade. Para autuar quem comete esta infração, os guardas agem só com detecção visual, já que ainda não dispõem de equipamentos que mensure a velocidade. Alguns, observam os guardas, passam dos 60km nas ruas da cidade, confundindo agilidade das motos com velocidade.

Outro questionamento da comunidade é quanto as descargas das motos, em que os condutores trocam de cano ou tiram o silenciador, provocando um barulho muito acima do permitido.

Antes do final do ano, uma operação da Guarda Municipal flagrou várias motos com canos com características alteradas. De acordo com o diretor da Guarda, Paulo César Silva, neste caso, o condutor tem a moto retida e paga a multa ou pode fazer a troca do cano no local e ter o seu veículo liberado.

Naquela abordagem ainda, em dezembro de 2016, oito motociclistas que estavam com cano alterado trocaram o equipamento, no próprio local, e foram liberados.

 

 


Curta nossa Fan Page


Comentar com Facebook

10 comentários

  • a velocidade tem que ser para todos, carros e motos, aparenta que para eles(motociclistas)a velocidade pode ser maior.

  • Jesus Romário Corrêa

    Não! Deve estar tudo correto, pois quando há uma maior fiscalização sempre aparece alguém para reclamar que esta sendo implantada a “indústria da multa” em Alegrete.

    • Roberto Monteiro

      É a mais descarada das desculpas. É simples. Faz a coisa certa e não vai ser multado. Simples. Qual é a dificuldade de entender isso?

  • Marlon Salgado

    Isto é comum… É um fato corriqueiro, pena que o detectar não basta! No bairro Pró-Morar por exemplo é comum se deparar com motociclistas (motoqueiros), com escapamentos alterados em alta velocidade, empinando a roda( manobra perigosa). Tudo isto na rua Albino Severo que foi asfaltada e virou pista de eventos para estas apresentações ! Não adianta ligar para a brigada militar porque eles não aparecem, e a nossa guarda municipal ali naquele local é só de passagem… *E esta historia de troca de cono na hora é conversa fiada porque eles saem do local e recolocam o cano adulterado*

  • Saragossa

    Concordo em relação às motos, mas os carros não ficam para trás. Motorista usando o celular dirigindo é quantias, de balde. E pra fiscalizar celular não precisa de nenhuma tecnologia, é só observar, é só ficar no trânsito fiscalizando.

  • Mario Genaro Oliveira

    É um problema que tem de ser resolvido, um radar móvel, tem preço irrisório em relação com o que poderia ser arrecadado até os infratores aprenderem a obedecer, quanto ao decibelímetro a Prefeitura possui, está lá na Fiscalização sanitária.

  • Roberto Monteiro

    60 km/h é fichinha. Muitos andam perto dos 100 km/h. Às vezes me excedo um pouco e ando por volta dos 45/50 km/h em vias mais largas e com pouco movimento e passam motos voando por mim. Essa gente não mede consequências. Não sei qual a necessidade de andar feito um louco nestas distâncias curtas.

  • Cristiano

    Tem que acabar com os canos barulhentos pois os ignorantes acham que o barulho faz a moto andar mais e assim estão sempre acelerando, tem que proibir ou aprender isso.

  • Carla

    Além de não andarem devagar, andam “colados” nos carros da frente. A gente freia, se grudam atrás e ainda querem ter razão. Não se dão conta q sempre sairão perdendo por falta de atenção, prudência e segurança.

  • cristiano

    Tinham q fiscalizar os ónibus coletivos também q andam bem acima da velocidade permitida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *