Acesso a 377 em Alegrete está tomado por lixo


Em agosto de 2017, a reportagem do Portal Alegrete Tudo monitorou durante duas semanas o acúmulo de lixo jogado nos sete quilômetros do trecho de estrada de chão batido no acesso leste do município em direção a RS 377, em direção à cidade de Manoel Viana.

Passado um ano, a situação continua a mesma. O lixo permanece espalhado e o pior, o descarte de lixo eletrônico aumentou, bem como móveis ao longo da estrada.

As cenas impressionam desde o perímetro urbano até o trevo de acesso a Manoel Viana. Denominada estrada do lixão, a via está tomada por lixo em ambos os lados.

Até um vaso sanitário foi encontrado. Entulhos, sujeiras, galhos secos, lixo residencial, sofás e televisores é possível encontrar ao longo da estrada.

Existem córregos que recebem todo tipo de poluição. Sacolas plásticas em sua maioria contracenam com a vegetação escassa e sofrida da região. A comunidade do Bairro Centenário logo na saído do trecho, é umas das atingidas com o descaso do lixo espalhado na via. O presidente, Cláudio Dutra, salienta que há dois anos o lixo não é recolhido e que os moradores cobram medidas urgentes para limpeza, ao menos na área do bairro.

 

A quantidade de descartes ao longo do trecho de terra, revela a assiduidade daqueles que usam a via como lixão. Não há nenhuma placa de proibição e advertência para coibir que lixo seja jogado na estrada. As placas de sinalização estão escondidas no matagal. Até roupas podem ser vistas em alguns pontos da estrada. O trecho já foi pauta e tema de diversas reportagens. Vereadores levantaram a necessidade de asfaltar a estrada. Mas até hoje nenhuma ação foi efetivada.

O lixo cresce a cada dia, com dano ambiental iminente sem que nenhuma medida seja tomada pelas autoridades.

Em contato com o Secretário De Infraestrutura, Jetter Danzer de Souza, ele confirmou que será realizado um mutirão na próxima semana para limpar o trecho. Uma ação municipal para recolher lixo e entulhos às margens da estrada que padece num cenário de lixão a céu aberto.

Júlio Cesar Santos

Compartilhar

Curta nossa Fan Page

1 Comentário

  1. Elogiável a atitude desse qualificado Portal ao efetuar o registro da dura realidade. Dias passados transitei por essa via pública e me deparei com tão vergonhosa situação, que, tudo leva a crer, só será alterada com ações determinadas não apenas do órgão público competente, mas de instituições igualmente públicas que existem para proteger o meio ambiente. Alías, tanto a Constituição Federal, quanto a Estadual, a Lei Orgânica Municipal e uma ampla legislação complementar são bem claras quanto à questão ambiental. Trata-se de uma via pública de chão batido a partir do acesso à sede social do Banco do Brasil e, ao que me consta, recebe o nome de Avenida Ibicuí. No seu percurso fica também o acesso à lagoa de estabilização de esgoto – ETE da Corsan e igualmente ao vergonhoso lixão a céu aberto da cidade, que, convenhamos, não tem mais condições de continuar funcionando. E, como o histórico Alegrete, pelo qual tenho grande carinho, por possuir a maior área territorial no Estado, por certo não terá dificuldade em encontrar um local adequado para, com urgência, implantar um moderno aterro sanitário. A situação atual é muito séria, muito grave. No local deparei-me, inclusive, com cães errantes, que deveriam ser recolhidos ao moderno canil, que felizmente passou a existir no município, constituindo-se em extraordinário avanço.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*