“Ainda tenho esperança de encontrá-la viva”, diz pai de estudante desaparecida

Mirella Gomes, 18 anos, foi vista pela última vez há mais de três meses, nas proximidades da universidade onde cursava Nutrição

Familiares da estudante Mirella Gomes, 18 anos, desaparecida desde o mês de julho em Pelotas, no sul do Estado, ainda esperam encontrá-la com vida. Vista pela última vez há mais de três meses, a jovem foi deixada pelo pai e pela irmã na Universidade Federal de Pelotas (UFPel) na manhã de 28 de julho, onde faria uma monitoria. Desde então,  Mirella não retornou mais para casa.

Segundo o delegado Félix Rafanhin,  a Polícia Civil trabalha com diversas hipóteses, inclusive afogamento.

— Uma pessoa foi vista se afogando nas proximidades, mas ainda é uma hipótese, como tantas outras. Casos de desaparecimento têm diversos complicadores, e o corpo ainda não foi localizado — explicou o delegado.

De acordo com Rafanhin, o inquérito policial foi remetido ao Ministério Público, que tem acesso a todas as diligências realizadas até então.

O pai de Mirella, Eli Gomes, não crê na possibilidade de a filha ter morrido afogada.

— Uma pessoa disse que viu alguém se jogando na água, e depois o corpo sumiu. Não há evidência alguma. A polícia diz que a investigação continua, mas não passa as informações para nossa advogada. Ainda tenho esperança de encontrar minha filha viva — diz o pai.

Relembre o caso

— No dia 28 de julho, a estudante de Nutrição foi deixada pelo pai e pela irmã gêmea, Mariana Gomes,  na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), onde faria uma monitoria.

—  A irmã também estava na faculdade e percebeu o desaparecimento por volta do meio-dia,  hora da saída.  Desde então, familiares e amigos têm se mobilizado para encontrar Mirella.

Fonte: Gaúcha/ZH

 

Compartilhar

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*