Alegretense Lucas Fernandes Dorneles é exemplo de vida e superação

A história de vida do alegretense Lucas Fernandes Dorneles, 24 anos, é baseada em superação e, literalmente, sem limites.

Em 2005, descobriu um tumor ósseo sarcoma no joelho esquerdo. Passou por duas cirurgias, a primeira para tentar ficar com uma parte da perna. O pior aconteceu. O tumor voltou e tive  que passar por uma amputação total da perna esquerda.

Passau dois longos e dolorosos anos de tratamento no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. No primeiro ano, quase não saiu do hospital, devido a intensidade do tratamento. Já no ano seguinte conseguiu conciliar a continuidade do tratamento com  os estudos.

Durante este período ele e mãe, Aurora Vargas Fernandes, tiveram que se mudar para a Capital.

Nos dois anos de tratamento, Lucas teve integral apoio de várias pessoas. Credita sua recuperação à mãe.

“Ela foi e é  de longe a pessoa mais importante na minha vida. Pois foi ela que sofreu e venceu comigo essa fase da minha vida. Sempre me apoiando e torcendo por mim. Tudo o que eu já conquistei e ainda vou conquistar eu devo a ela. Mãe te amo, declara o emocionado Lucas.

Não esquece da irmã, Adriana Fernandes Zacarias, outra que sempre se desloca até Porto Alegre. Adriana é um dos talismã do guerreiro Lucas. Seu pai João Helvécio Aurélio, ocupa um lugar especial na vida do jovem.

As tias Odith Fernandes Bianchi e Noema Vargas Fernandes, residem na capital, tiveram uma grande participação nesta etapa da vida do alegretense. Eternamente grato por todo o apoio até os dias de hoje.

Passada essa fase ele reiniciou a vida. Voltou para Alegrete e continuou os estudos. Já no final do ensino médio resolver arriscar. Percorria de bike o trajeto para  trabalhar na banca 36 do camelô, onde um primo é o proprietário.

Logo em seguida foi revendedor de materiais para borracharia. Nesse período andava por toda a cidade de bike e tomou  gosto pela bicicleta. Foi então que começou a fazer treinos de mountain bike.

Em 2015 foi aprovado no concurso da Caixa Econômica. Arrumou as malas, bicicleta e foi para São Borja.

Lá deixou a bike de lado por falta de tempo. No ano seguinte encontrou o Grupo Bora Pedalar.

A vontade era tanta de pedalar, que não parou mais. Retornou os treinos, participou de algumas provas de MTB em Santo Tomé na Argentina e em Santo Ângelo.

Em 2017, adquiriu uma bicicleta speed e foi com ela que ultrapassou os 200 km em uma só prova.

Lucas atuou na etapa do Campeonato Noroeste de Ciclismo realizada em São Luiz Gonzaga e já fez três Audax de 200 km.

O primeiro em Cruz Alta, de longe o mais difícil, devido às grandes inclinações das subidas e a falta de preparo para essa prova.

Já no segundo, em Passo Fundo, foi num trajeto com a maior altimetria acumulada, tirou de letra. No terceiro em Santo Ângelo, realizado pela  ACM, Lucas teve uma grande participação na modalidade de provas longas. O ciclista venceu subidas intermináveis.

No último Audax, Lucas rompeu a distância dos 300 km, prova realizada em Gravataí.

Desta vez, estava com um pelotão com 4 integrantes do Grupo Bora Pedalar e sete integrantes da ACM.

Conta que foi o maior desafio até aqui. Tirando a quilometrarem, passou trabalho para vencer o sono e os imprevistos com os três pneus furados.

A largada foi pela tarde, às 15h de um sábado. Lucas completou os 300 km, um pouco antes das 9h do domingo. Sobraram duas horas para o tempo limite estipulado numa prova oficial de Audax 300.

Lucas reside em São Borja. Seguidamente está no Alegrete, junto com familiares e sente-se feliz e realizado.

Não definiu a próxima prova. Mas afirma que vai iniciar o ano pedalando. Seu estilo de vida não exclui a bicicleta. Afinal, foi ela que deu uma outra visão da vida após ter uma perna amputada.

Por: Júlio Cesar Santos                              Fotos: Acervo pessoal

 

Compartilhar

1 Comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*