Alunos deixam Reitoria da Ufrgs após nove dias de ocupação

 

ufrgs1a

Depois de nove dias de ocupação, os estudantes que mantinham acampamento na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) decidiram deixar o local nesta sexta-feira. Conforme o grupo, a definição ocorreu após a obtenção de algumas conquistas. 

Em audiência de conciliação realizada na Justiça Federal nessa quinta-feira, a universidade se comprometeu a cumprir três itens: conceder gratuidade no Restaurante Universitário (RU) para todos os estudantes beneficiários da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE), fornecer auxílio de R$ 200 por mês para moradores de casas do estudante beneficiários da PRAE para alimentação nos finais de semana e não criminalizar e nem instaurar qualquer tipo de processo disciplinar contra os estudantes que participaram da ocupação da Reitoria.

Mesmo com a desocupação, os alunos garantem que seguirão pressionando a Ufrgs para que as demais pautas sejam atendidas. Na quarta-feira, a juíza federal substituta Graziela Cristine Torres negou pedido da universidade para reintegração de posse e agendou a reunião entre as partes para a tarde de de quinta.

A Ufrgs entrou com pedido de reintegração após os estudantes rejeitarem a resposta encaminhada pela universidade à pauta com 41 reivindicações. No documento, a Reitoria informou, entre outros pontos, a intenção de providenciar melhorias na iluminação, padronização do cardápio dos Restaurantes Universitários (RUs), realização de reformas e ampliação nas Casas de Estudantes e aumento no valor das bolsas-permanência.

Os estudantes, porém, consideraram que as respostas foram evasivas, além de não apresentarem soluções concretas aos problemas apontados e serem encaradas como uma “tentativa de silenciamento do movimento estudantil”. O grupo pede melhorias relativas a questões como segurança, direitos estudantis (Restaurante Universitário, moradia e bolsa-permanência), além da estrutura universitária, incluindo terceirizações de cargos, transporte, bibliotecas e infraestrutura.

Na Faculdade de Direito, entretanto, a ocupação de alunos, iniciada há 18 dias, persiste. Na quarta-feira, o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) anulou o concurso para professor na disciplina de Criminologia e Direito Penal, o que era a principal reivindicação dos alunos. 

Apesar disso, o grupo decidiu manter acampamento até que outras pautas sejam acordadas, como a democratização do uso do Salão Nobre, devolução de duas bolsas retiradas do Centro Acadêmico André da Rocha (Caar) e comprometimento da universidade para que os ocupantes não sofram retaliações.

Fonte: Correio do Povo

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Curta nossa Fan Page

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*