Cancelamento da Caminhada Cívica provoca reação das malharias da cidade


A notícia de que a Caminhada Cívica, que acontece no mês de setembro, 7, será cancelada provocou insatisfação e preocupação para os proprietários de malharias, em Alegrete.

Segundo a empresária, Iara Bressan, proprietária de uma das malharias de Alegrete, a informação gerou apreensão pois este período é o momento em que o setor tem sua maior produtividade. Com o cancelamento todos vão ficar prejudicados. “Assim como eu, tem outras malharias que estavam contando com este período para amenizar um pouco o deficit deste ano. O movimento reduziu e isto nos preocupa. O município pensa numa medida de redução de custos, mas ao mesmo tempo vai prejudicar empresas”- destacou.

Por esse motivo, os representantes agendaram uma reunião com o Vice-Prefeito Márcio Amaral, que vai acontecer, nesta quarta-feira(11), às 11h em seu gabinete.

Em contato com a secretária de Educação, Márcia Dorneles, ela ponderou que a decisão dá-se em razão do contexto de instabilidade econômica porque passa o país, o estado e, principalmente, os municípios, o que obriga a Administração Municipal a manter cautela. A medida é em razão da contenção de despesas adotada pela Prefeitura. “Não há verba disponível para montar toda estrutura” – em razão das arquibancadas e demais custos. A secretária enfatizou que esta medida é somente para o município.

Maria Izete Paré Rodhes, presidente do 19º Núcleo do Cpers (Centro dos Professores do Estado do Rio Grande Do Sul), disse que as escolas estaduais são convidadas pelo município, que provavelmente com a suspensão, também não haverá desfile nas demais escolas. Porém, até o momento não recebeu nenhuma informação sobre o assunto.

 

Flaviane Favero

Compartilhar

Curta nossa Fan Page

1 Comentário

  1. pra tudo tem gastos ;não teremos desfile ,nem carnaval,aqui ja não tem nada;só trabalhar pra pagar impostos ,escravos ,nesta cidade nada acontece.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*