Carnavalescos falam sobre mais um ano sem desfile das escolas em Alegrete

O Carnaval oficial no Brasil já acontece neste final de semana. O maior feriado do país é marcado pela folia e os grandes desfiles de escolas de samba.

Alegrete já teve seus tempos áureos desta que é a maior festa popular do país com desfile das quatro escolas de samba. Há cinco anos os tamborins silenciaram e as cabrochas não encantam mais.

Uma das alternativas para os dias de Carnaval aqui na cidade é a descida dos blocos. Fantasiados ou não, os blocos de amigos se reúnem nos pontos onde vai acontecer a folia este ano. As antigas marchinhas fazem parte da festa.

A carnavalesca Ilva Borba Goulart, com anos de experiência nesta festa, acha válido os blocos, mas nada substitui o pulsar de uma bateria de escola de samba, considera.

Wado Mendonça também com larga vivencia em carnavais de escola de samba, pensa que as baterias das escolas de samba deveriam estar juntos nesta proposta de descida dos blocos.

  • Quando a bateria soa, não tem igual. É uma emoção ímpar, diz Ilva e isso é o verdadeiro carnaval, acredita a canudense da gema.

Ela informa que a Assercal até propôs à Prefeitura que se incluísse parte das baterias das escolas de samba na festa, mas diz que não obteve retorno.

A carnavalesca fala que a Assercal já tem toda a cobertura para os barracões e aguarda a CORSAN fazer a estrutura no campo da aviação. Será neste espaço que as escolas de samba vão fazer ensaios, fantasia e montar carros alegóricos. Além disso, coloca que o ex presidente Wado pegou a entidade com 800 reais em caixa e entregou com 32 mil.

-É importante ficar bem claro que a Prefeitra quando ajudava era para a logística da Avenida, porque colocar uma escola na rua sempre foi por conta de cada entidade, diferente do que as pessoas falam e criticam por aí, destaca.

Imaginem ilustrativa

Vera Soares Pedroso

Compartilhe
  • 400
  •  
  •  
  •  
  •  
    400
    Shares

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*