Charles Severo Cenci, de servente de pedreiro a doutorando em engenharia civil em Coimbra/Portugal

O alegretense de 21 anos, de origem humilde, que reside desde criança no bairro Saint Pastous, está voando alto e conquistando cada vez mais seu espaço na área de formação, engenharia civil. O próximo passo, doutorado em Portugal. Charles Severo Cenci conversou com a reportagem do PAT, por telefone, na última semana.

A história de vida deste jovem é incrível. Mesmo diante de todas as dificuldades financeiras, ele jamais desistiu dos sonhos e está saindo de casa para concretizar mais um, o doutorado no exterior.

Charles disse que desde criança, acredita que tinha cerca de 6 anos, iniciou sua trajetória na profissão que exerce hoje. Ele auxiliava o pai, que era pedreiro, tinha orgulho de ser o servente. Aos 12 anos, para complementar a renda, assumiu o compromisso como panfleteiro e aos 14, o primeiro emprego de carteira assinada, pelo Jovem Aprendiz.

Foi então, que passou a estudar à noite na escola Lauro Dornelles, onde concluiu o ensino médio e ingressou na Universidade Federal do Pampa aos 17, no curso de Engenharia Civil.

Sempre muito dedicado, o alegretense finalizou o curso com um semestre a menos (o que já é raro quando o aluno termina no tempo certo), sem ter sido reprovado nem ficado em exame (recuperação) em nenhuma disciplina.
Na faculdade, ele realizou inúmeras atividades que preenchem 5 páginas do seu currículo, dentre elas de pesquisa e extensão.

As principais:
* Presidente do Diretório Acadêmico da EC
* Bolsista do Grupo PET CTC Engenharias (só nesse foram 2 anos de atividades focadas no ensino e na extensão, como organização de eventos na Unipampa, minicursos à colegas e à comunidade, além de desenvolver atividades em asilos, creches e no CEDEDICA).
* Pesquisador do MACP
* Pesquisador do EIRE.
O TCC, ele recorda que deu um trabalho absurdo, pois buscou validar uma aplicação para o “lixo” que é o vidro de garrafas não retornáveis como areia na produção de concreto para Pavers.

E, mesmo com a rotina muito atribulada, Charles não deixou de trabalhar e fez estágios em cinco empresas: JK, RITT, Pórtico, Hormigon e FIDA.

Ao concluir a Universidade, imediatamente fez a inscrição para o Mestrado na USP e Doutorado na Universidade de Coimbra em Portugal. Para a realização dele e da família, Charles foi agraciado com a aprovação em todas e está se preparando para ir a Portugal realizar o doutorado, que deve durar cerca de três anos.
“Está sendo um enorme desafio, pois sou o primeiro da família a me formar no ensino médio, e agora tendo reconhecimento internacional é algo simplesmente fantástico, mas não deixa de ser um desafio financeiro. É algo que eu nunca acredite que fosse possível. Fantástico, assustador, emocionante, realmente não sei como definir. ” falou.

Os pais de Charles, Adelir Cenci, era pedreiro na época que iniciou a faculdade, hoje por problemas de saúde (coluna), trabalha em serviços gerais num Engenho de Arroz. A mãe, Dóra Elizabete Severo Cenci, foi faxineira durante muitas décadas e agora tem orgulho de ser uma revendedora Avon e Natura. Já os dois irmãos, um tem 30 anos (frentista) e o outro, 13 anos, está no 8° ano.

Para Charles a inspiração para todas as conquistam sempre formam os pais, que ele descreve como pessoas éticas, íntegras e trabalhadoras.
Além do incentivo e o desejo que é melhorar a qualidade de vida deles, como forma de retribuir toda a atenção, carinho e apoio que recebeu nesses anos.

“A parte financeira é sim uma dificuldade, mas eu sinto que isso acarreta em um crescimento muito maior para nós. Sabemos reconhecer o valor de cada aula e enxergar que aquela formação pode melhorar a qualidade de vida tanto minha quanto de meus pais. E que, por precisar trabalhar, acabei por possuir experiências na minha profissão que não conseguiria somente com as aulas. Acho que toda dificuldade que a gente enfrenta só faz com que fiquemos mais fortes e preparados para qualquer coisa que vier a acontecer em nossas vidas.” – completou.

As aulas começam agora dia 16, mas Charles vai assim que conseguir o visto. Prevê que vai chegar um pouco atrasado. Para ajudá-lo nesta nova fase e tão decisiva, ele fez uma Vakinha online, ao menos para tentar pagar a passagem que custa R$3.000,00.

Quem puder auxiliar esse alegretense é só clicar no link abaixo.

http://vaka.me/707383

Flaviane Antolini Favero

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *