Efipan 2018: a tecnologia a serviço do futebol


Ao longo dos 38 anos em que acontece o Efipan, diversos veículos de comunicação fazem as prévias dos jogos, transmitem-os, dão opiniões, entrevistam os envolvidos e, o que mais importa, levam a informação ao público. Os meios radiofônico e impresso acompanham o torneio desde o início e, pelo menos nos último 10 anos, a internet se configura como meio de comunicação do evento.


O Facebook e, especialmente, as transmissões ao vivo no Youtube dos jogos se tornaram características do torneio. No entanto, até então informações sobre escalações, pontuação, jogos, rodadas, comissões técnicas, cartões e demais notas que são pautas quentes a respeito do Efipan, ainda eram acessadas do meio mais tradicional: através de papeis disponíveis com a organização do evento. Para a 38ª edição, a empresa DEVPampa foi contratada e desenvolveu o aplicativo Efipan 2018, onde todas as referidas informações estão disponíveis.
Nova no mercado, a empresa que desenvolveu o aplicativo para dispositivos móveis teve o Efipan como seu primeiro grande cliente. A DEVPampa é proveniente do trabalho feito por quatro alunos de Engenharia de Software da Universidade Federal do Pampa (Unipampa): Peterson Rodrigues, Fernando Lima, Adriel Rodrigues e Adriel Herter. De acordo com Peterson, o contato entre o torneio e a empresa começou no final de 2016, antes mesmo de a DEVPampa existir.
Um dos responsáveis pelo “ponta pé inicial” do app foi o então diretor do campus de Alegrete da Unipampa, Alessandro Girardi: “Ele – Alessandro – e o coordenador técnico do Efipan, Moisés Fontoura, chegaram a mim com a demanda de que o usuário final acessasse a informação imediatamente”, comenta Peterson, que na época era presidente da empresa júnior Ideiah Soluções em Software Júnior. A tecnologia contaria com informações básicas e foi desenvolvida em 10 dias. Foi apenas após ter o aplicativo pronto que os alunos perceberam que o trabalho poderia ser monetizado: “Até então não existia empresa. Éramos apenas estudantes com o aplicativo em mãos para sairmos às empresas e pedirmos apoio”, afirma Peterson. Apesar das dificuldades enfrentadas no início, o retorno foi positivo. Logo que a venda começou, o app conseguiu 11 patrocinadores e teve mais de 1.200 dowloads em androids, visto que ainda não estava disponível para iPhones.
Em janeiro de 2017 a DEVPampa foi formalizada e então novos projetos foram pensados. Apesar de haver surgido ideias de fazer trabalhos voltados à agropecuária, por exemplo, os estudantes não tiveram o retorno planejado. Segundo Peterson, nada vingou e o foco da startup passou a ser campeonatos esportivos. “A partir de agora queremos atingir outras regiões, sistematizando as competições esportivas através de aplicativos para mobile” afirma. O Efipan também foi uma vitrine para os empreendedores, que reconhecem a oportunidade: “Já estamos em contato com alguns clubes. Pensamos gradativamente, sempre entendendo que começamos aqui no Alegrete e que éramos estudantes da Unipampa”, destaca.


Com o fim do Efipan, os empresários pretendem divulgar cada vez mais o trabalho e atingir novos horizontes. Um dos objetivos da DEVPampa para 2018 é conseguir projetos para, pelo menos, seis competições: “Pretendemos desenvolver trabalhos para outras modalidades também, como padel, futsal, vôlei, entre outras”. O projeto da empresa está incubado na PampaTec – Parque Tecnológico do Pampa, que desenvolve ações de incentivo e suporte aos novos negócios inovadores e de base tecnológica. O aplicativo, até o momento, já tem mais de dois mil dowloads e pode ser baixado na PlayStore e na AppleStore.

 

Por: Rosana Ruviaro

Compartilhar

Curta nossa Fan Page

1 Comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*