Gasolina a cinco reais na maioria dos postos em Alegrete

O preço médio do litro da gasolina praticado nos postos em Alegrete, alcançou o patamar de R$ 5 (Cinco Reais). O valor acompanhou a pesquisa feita pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP) divulgada na última sexta-feira (10).

No período analisado, o valor do litro da gasolina passou de R$ 4,505 para R$ 4,566, uma alta de 1,35%. O preço do litro do diesel passou de R$ 3,612 para R$ 3,644, alta de 0,89%, na média nacional.

Os preços da gasolina em Alegrete, longe das refinarias atingiu o maior patamar desde novembro do ano passado. Numa rápida pesquisa foi possível encontrar o preço do litro a R$ 4,92 até R$ 5,09.

O Procon em Alegrete, na mais recente pesquisa de preços dos combustíveis no mês de maio, revelou um novo aumento de valores.

Segunda a pesquisa feita pelo órgão no município, a gasolina comum foi encontrada entre R$ 4,92 e R$ 5,09, mesmo preço verificado pela reportagem. A gasolina aditivada varia entre R$ 4,94 e R$ 5,24. O menor preço do óleo diesel comum é R$ 3,51 e o maior R$ 3,84. Já o óleo diesel S10 ficou entre R$ 3,63 e R$ 3,81. O valor do etanol varia entre R$ 3,99 e R$ 4,56.
A pesquisa do Procon, também verificou que apenas três estabelecimentos estão praticando preços diferenciados na gasolina comum.

Na semana passada, a Petrobras havia anunciado uma elevação média de 2,56% nos preços do diesel comercializados nas refinarias da empresa. A boa notícia é que o preço da gasolina permaneceu inalterado.

Nesta segunda-feira (13), o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) divulgou uma tabela com os valores a serem usados como referência pelas unidades federativas do país a partir da próxima quinta-feira (16). O RS, está incluído na lista de estados onde a gasolina deverá ter um novo aumento. De acordo com a nova tabela do Confaz, o valor da gasolina deve subir em torno de 16 centavos no fim de semana.

A notícia gera bastante apreensão entre os donos de postos. Com a tendência dos preços subirem ainda mais, os empresários não veem saída no valor que deverá ser repassado nas bombas.

O preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF) serve como parâmetro para a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) retido pela Petrobras no ato da venda dos combustíveis aos postos de gasolina, o que impacta no valor praticado na bomba.

Os valores refletem o preço praticado para as distribuidoras, sem tributos, e em cima deles são acrescentados diversos impostos e margens de lucro em cada etapa do processo, até chegar ao valor final nas bombas.

A tabela do Confaz também traz os novos preços praticados no gás liquefeito de petróleo, querosene da aviação, etanol, gás natural veicular (GNV), gás natural industrial e óleo combustível.

Júlio Cesar Santos

Compartilhe
  • 677
  •  
  •  
  •  
  •  
    677
    Shares

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*