” Hoje seria o último dia dele trabalhando no ponto”, disse colega de taxista baleado

No ponto, onde o taxista trabalha, o clima é muito emotivo, todos os colegas estão desolados com a covardia que ocorreu com o taxista, gravemente ferido, durante tentativa de roubo(assalto), nesta madrugada (4). O homem de 33 anos foi atingido por um disparo de arma de fogo, na boca. O projétil permanece alojado no pescoço, conforme informações.

O trabalhador está na UTI da Santa Casa e o quadro continua grave. O que ainda preocupa é a hemorragia que pode representar uma transferência para Santa Maria.

O PAT esteve no seu local de trabalho e conversou com alguns colegas do taxista. No total, são 13 carros e 26 trabalhadores. Todos estão perplexos com o que aconteceu. A emoção tomou conta da entrevista e por várias vezes, as lágrimas não foram contidas. Os que estavam trabalhando falaram pelo grupo.

Os taxistas o descrevem como um homem trabalhador, grande parceiro, muito prestativo e sempre de bem com a vida. Muito profissional, o Uno, carro que trabalha, está sempre impecável.

Eles relataram que hoje seria o último dia do colega, vítima de criminosos que o atacaram e o balearam, nesta madrugada. Ele iria voltar para a profissão que também é apaixonado, caminhoneiro. Uma empresa de Uruguaiana o teria contratado a partir deste mês. Durante o período que esteve no ponto da Rodoviária, seu trabalho sempre serviu como exemplo, pela responsabilidade e dedicação.

Ele é chamado como chefe de manutenção do ponto, pois não deixava nada fora do lugar ou sem consertar – falou Antônio Carlos Morais, há seis anos na Rodoviária. Muito emocionado, por algumas vezes, precisou interromper a fala, por não conseguir segurar as lágrimas.

Tiago Nunes Ferreira, há um ano e quatro meses, trabalhando no ponto da rodoviária, falou que estava dormindo e foi acordado para assumir o início da fila. “Quando a moça chegou ele(vítima) estava dormindo, era para ser comigo, mas a “passageira” pediu pra falar com ele. Depois que conversaram uns minutos, ela entrou no banco de trás e saíram. A corrida era para Vila Nova, comentou Tiago.

A mulher de estatura mediana, magra e cabelo escuro, estava com aparência de quem estaria alcoolizada ou drogada, segundo os demais taxistas.

Edson Maglioli, também, há um ano no ponto da Rodoviária, falou que estão todos orando e acreditando na recuperação do colega.

Eles ainda mencionaram a visita de uma criança de 9 anos. “Ele pediu para vir aqui somente para saber como está o amigo. Todos que o conhecem(taxista) sabem que ele é uma pessoa ímpar. Acreditamos que ele é forte e vai sair dessa.” citaram.

Quando ficamos sabendo foi um choque, dá uma sensação de impotência, uma grande preocupação com o colega e com os demais” – comentou Carlos.

Devido a hemorragia doações de sangue são muito bem vindas ao hemocentro. Toda tipagem, pois há necessidade da reposição. O taxista que foi alvo de criminosos, é morador do bairro Vila Nova. Ele saiu para uma corrida e foi baleado na boca.

Mesmo ferido conseguiu dirigir até a frente da casa do irmão. Assim que chegou, buzinou, a cunhada saiu ao seu encontro e pediu para um vizinho levá-lo à Santa Casa. No carro, que foi para perícia, havia muito sangue. Tudo indica que houve luta corporal. Nada foi roubado.

Nas redes sociais muitas mensagens de carinho e de Fé, além de pedidos de orações. Também houve uma corrente em frente à Santa Casa, nesta tarde. Familiares e amigos oraram e enviaram energias positivas ao taxista.

A Brigada Militar atendeu a ocorrência no início da madrugada.

Veja no link abaixo a postagem sobre a tentativa de roubo(assalto).

Taxista é gravemente ferido com um tiro durante uma corrida em Alegrete

Flaviane Favero

Compartilhe
  • 853
  •  
  •  
  •  
  •  
    853
    Shares

1 Comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*