Iara Ribeiro Prates: uma vida profissional com bons legados ao sistema prisional


A rosariense Iara Ribeiro Prates, durante 24 anos e seis meses viveu a vida profissional como agente penitenciário.

Ingressou na Susepe após o concurso em 1994, na capital do RS. Em 16 de junho de 2014, chegou em Alegrete. Inicialmente trabalhou como plantonista no presídio e, após oito meses, assumiu o setor de manutenção.

Em março de 2015, entre 22 mulheres, foi escolhida na área da segurança para ser homenageada com o troféu Germinar “mulheres com espírito de cidadania”.

Com esmero consolidou uma equipe de trabalho que criou diversas iniciativas dentro do pátio da casa prisional. Foi responsável pela construção de uma estufa e de um canteiro de flores, embelezando o jardim em frente ao presídio. Iara cativou o respeito de colegas e apenados que trabalhavam sob a tutela da agente.

Aos 55 anos, ela se aposentou no dia 31 de janeiro de 2017. Escolheu Alegrete para morar e aqui na cidade curte a aposentadoria ao lado de sua companheira. É mãe, o filho de 34 anos reside em Porto Alegre.

Integrou o Conselho Disciplinar Permanente, setor que apurava as fugas do semiaberto na região metropolitana, ligado à Corregedoria do sistema prisional. Aqui em Alegrete, humanizou o ambiente de trabalho. Mas antes, atuou em diversas cidades. Passou por Charqueadas; Soledade; Gravataí; Porto Alegre; Osório; Torres; Montenegro entre outras. Foi diretora no Instituto Penal de Gravataí Santos e Medeiros, no ano de 2011, na cidade de Gravataí.

Na cidade de Arroio dos Ratos, foi presidente do conselho disciplinar. Com muita história para contar, a ex-agente penitenciária é sorridente, possui um carisma contagiante e durante a reportagem nem de longe passou a ideia de que a profissão que exerceu era arriscada e perigosa.

Numa história que relembrou, foi designada a ir numa escolta, transportar um preso de alta periculosidade do RS. O objetivo era levá-lo a uma audiência. No trajeto, dois veículos da Susepe fizeram caminhos distintos. O da agente saiu pela BR 290, com o apenado, o outro veículo que foi por uma travessia sofreu uma emboscada, os bandidos queriam o preso que a agente Iara levava pela rodovia federal.

Em outra conversa, ela comprova seu importante papel como servidora pública. No Instituto Penal de Viamão, conheceu um apenado que trabalhava na cozinha. Analfabeto, Iara ensinou o preso a escrever e ler seu próprio nome.

Curtindo cada minuto da aposentadoria, ela reconhece que a fragilidade no sistema carcerário pode sofrer consequências a qualquer momento. A superlotação em Alegrete, também preocupa. Ela diz que o modelo de cadeia atualmente não recupera ninguém. Só com trabalho e muita atividade laboral é possível restruturar o perfil do preso.

Mas a aposentada não têm tempo para preocupações, quer levar uma vida regada a alegria e muita paz.

No último final de semana reuniu amigos, família e pessoas que colaboraram profissionalmente e espiritualmente durante todos estes anos.

Uma confraternização brindou a carreira de muito sucesso de Iara Ribeiro Prates, a ex-agente penitenciária que adotou Alegrete como sua cidade natal.

Júlio Cesar Santos              Fotos: PAT e Acervo Pessoal

Compartilhar

Curta nossa Fan Page

6 Comentários

  1. Parabéns Iara, você merece toda homenagem, uma vida dedicada a pessoal que por algum motivo se perderam no caminho. Missão para pessoal especiais e você é uma delas. Rosario do Sul tem que se orgulhar de sua história. Do seu colega de aula e equipes desportiva, Ernesto Rodrigues Viana.

  2. Tive a oportunidade de comprovar seu excelente trabalho de agente penitenciária, que desenvolvia com educação e polidez. Vai fazer falta, pois era singular. Que Deus lhe de muitos anos para gozar esta merecida aposentadoria com saúde e paz.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*