Incendiário, com identidade de um homem falecido, é flagrado pela PATRAM

Na tarde do último domingo (6), os policiais da PATRAM flagraram o momento em que um homem colocou fogo em lixo próximo à margem do Rio Ibirapuitã, no bairro Medianeira.

De acordo com os policiais, eles estavam retornando de uma ocorrência, no interior do município, e adentraram pelo acesso à cidade, BR 290/bairro Medianeira.

Foi quando perceberam uma fumaça e foram verificar. No local havia um indivíduo que recém tinha iniciado fogo em lixos. Ele disse aos policiais que não pode ver nada amontoado e que a solução para eliminar o lixo seria colocar fogo.

Imediatamente foi solicitada a sua identidade, entretanto, o homem explicou que perdera todos os documentos. Ele falou o nome e comentou que é natural de Crissiumal, porém,  há cerca de 20 anos reside em Alegrete.

Contudo, na consulta ao sistema integrado, o nome informado era de um indivíduo falecido há alguns anos. Como o acusado insistia em assegurar que o nome era aquele, os policiais o conduziram à Delegacia de Polícia.

Foi verificado então, que o nome era do irmão gêmeo, já falecido.

O indivíduo foi finalmente identificado e realizado um Termo Circunstanciado por crime ambiental e falsa identidade.

Depois de ouvido o homem foi liberado. Ele vai responder na justiça.

Os policiais da PATRAM comentaram que nestes últimos meses realizaram vários boletins de atendimentos referentes à queima em campo.

Eles destacam que, em caso de identificação, o responsável é preso e as medidas cabíveis são tomadas. Tudo depende da área e do impacto ambiental.

Queimar lixo em casa é crime. A Lei de Crimes Ambientais, nº 9.605 de 1998, em seu artigo 54, descreve: “Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora”.

A queima em campo também gera um enorme transtorno aos Bombeiros. Em cada ocorrência às margens das BRs ou interior, isto deixa a cidade desguarnecida. O que gera uma grande preocupação em caso de sinistros, pois a guarnição teria um tempo prolongado para chegar ao local em razão do deslocamento.

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *