Luz em foto intriga cavalarianos da Chama Crioula


Imagem foi clicada no trecho entre Iraí e Santa Maria, e mostra o grupo Tropeiros do Coração do Rio Grande

Uma imagem registrada durante cavalgada de condução da Chama Crioula, entre Iraí Santa Maria, intrigou o grupo Tropeiros do Coração do Rio Grande, da 13ª Região Tradicionalista. A foto que sugere efeito de luz sobre as bandeiras foi tirada na manhã do dia 28 de agosto, pelo tradicionalista Carlos Augusto Soares dos Santos, pouco depois da morte de Paixão Côrtes, em São Martinho da Serra.

 –  Tivemos um pouso na Fazenda Santa Zelina. Entre 9h e 10h, eu vinha cavalgando na frente do grupo e tirando fotos, inclusive essa  –  conta Carlos.

Segundo ele, o efeito luminoso que aparece sobre as bandeiras só foi percebido horas depois, ao examinar as imagens do celular durante o almoço.

 – Foi nesse momento, quando a gente estava olhando as fotos, que a gente recebeu a notícia da morte do Paixão. Nós também tínhamos feito uma homenagem póstuma a dois companheiros de cavalgada, o Valderi Preto e o seu Adão dos Anjos  – diz.

Dois especialistas examinaram a imagem, a nosso pedido, e entendem que não houve montagem. Eduardo Becker, vice presidente do Grupo Peritos, diz que a imagem  sofreu influência do próprio sistema de gravação do celular, que age no ato da captura.

 – As alterações podem ter sido provocadas por ações involuntárias  –  diz Becker. Ou seja, sem intensão de quem tirou a foto.

Já Antônio Sobral,  coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Fotografia da Ulbra, em Canoas, entende que o efeito foi provocado pelo uso inadequado  de um mecanismo chamado HDR  (sigla de High Dynamic Range, que significa Grande Alcance Dinâmico) , presente nas câmeras de celular, que melhora a capacidade da lente em capturar a luz.

 –  O HDR colocou luz nas áreas de sombra (perto das bandeiras), estourando essa luz e criando o efeito do halo luminoso  –  afirma, destacando que não há nada de “sobrenatural” na imagem.

Fonte: G1

Compartilhar

Curta nossa Fan Page

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*