Oi em greve em Alegrete

O prejuízo pela paralisação já é sentido por empresas e consumidores

DSCN0872 DSCN0873 DSCN0874 DSCN0875

Os 12 servidores  que trabalham a serviço da empresa OI em Alegrete aderiam a greve que atinge cinco estados brasileiros- RS, Santa Catarina, Paraná, Sergipe e Bahia. O piquete dos grevistas que atende a OI, através da empresa terceirizada RM, está ao lado do portão da empresa na cidade no calçadão. Só  aqui na cidade eles atendem 18 mil clientes.

Eles reivindicam melhorias salariais (carros locados, jornada de trabalho de 44 h semanais; discriminação no contracheque de descontos  etc.), e também mais servidores para atender o aumento da demanda. Segundo Moisés Oribes, funcionário da RM, há necessidade de no mínimo o dobro de pessoal aqui em Alegrete, ou seja, 24 trabalhadores.

– Trabalhamos de segunda à sábado, e pior, lembra Oribes, sozinhos na rede, prejudicando a nossa segurança.

Face a repercussão da falta de internet em empresas da cidade no último sábado, incluindo a Nativa Fm, que continua com sérios prejuízos com seus ouvintes, pois o áudio não chega até a internet, e o portal da Nativa teve que buscar soluções alternativas para continuar no ar. O vereador Celeni Viana confirmou que na sessão da Câmara de Vereadores desta segunda-feira (9) que irá provocar a realização de uma audiência pública com a presença da Superintendência Regional da Operadora, exigindo explicações para as falhas constantes nos serviços prestados, e a avalanche de processos judiciais que estão nos órgãos de defesa do consumidor e nas pequenas causas de Alegrete.

É para dificultar o trabalho, diz Romário Pahim, a  RM que terceiriza o trabalho da OI  a empresa também agenda os atendimentos por GPS, o que piora ainda mais o nosso serviço, porque se um cliente liga, e não está pela ordem do GPS, não podemos agilizar o pedido dele.

A greve é unificada entre os cinco Estados. No panfleto que os grevistas entregam à população tem uma chamada irônica – “Os trabalhadores terceirizados da OI- patrocinadora oficial da Copa- exigem um acordo coletivo de trabalho PADRÃO COPA.”

Fotos: Vera Pedroso

 

 

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Curta nossa Fan Page

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*