ONG divulga áudio de crianças chorando ao serem separadas de familiares na fronteira dos EUA

País vive polêmica nacional acerca da medida que separa crianças de familiares que entram ilegalmente pela fronteira com o México.

Uma gravação de áudio com crianças chorando ao serem separadas de seus familiares ao entrar nos Estados Unidos a partir do México foi divulgada nesta segunda-feira (18) pela ONG ProPublica, acrescentando uma carga emocional à atual polêmica acerca da medida que tem sido aplicada de forma rigorosa pela administração Trump.

“Papai! Papai!”, “Não quero que parem o meu pai!”, diz uma criança a um agente de fronteira em meio a choros de outras crianças.

O áudio foi entregue à advogada de direitos humanos Jennifer Harbury por um denunciante. Ele foi gravado na semana passada. Mas o local exato da gravação não foi divulgado.

No início de maio, o governo passou a aplicar de forma rigorosa uma normativa segundo as quais as famílias que entram de forma clandestina no país são imediatamente separadas e as crianças menores levadas para instalações desconhecidas por seus pais.

Enquanto os pais são mantidos em prisões, seus filhos são enviados a centros de detenção diferentes, alguns em locais remotos.

A política causa uma polêmica nacional. Ela foi elaborada e aprovada durante o governo de Barack Obama, apesar de ter sido aplicada apenas em casos excepcionais. No início de maio, o governo Trump passou a aplicá-la de forma rigorosa, com “tolerância zero”.

Trump é alvo de uma avalanche de críticas. Nesta terça, o ministro de Relações Exteriores do México, Luis Videgaray, declarou que a separação das famílias é “cruel e desumana”. O governo mexicano exige que a administração americana reveja a sua política e permita comunicação diária entre as crianças e os pais, segundo a Reuters.

No plano interno, Trump enfrenta críticas tanto de democratas como de republicanos, contra o endurecimento da medida.

O presidente responsabiliza os democratas pela lei e diz que são eles que devem mudá-la. “Digo que é muito fortemente culpa dos democratas”, disse nesta segunda na Casa Branca. Por um lado, disse que considera a política “horrível”. Por outro, enfatizou que “os Estados Unidos não serão um campo de imigrantes, e não serão um complexo para manter refugiados”.

Nesta terça, Trump voltou a defender a medida, ao afirmar que não se é um país sem o estabelecimento de fronteiras, deixando claro que seu governo está “decidido a prender aqueles que entram ilegalmente no país”.

“Das 12 mil crianças [sob custódia do governo federal], 10 mil foram enviadas sozinhas por seus pais em uma viagem muito perigosa e só 2 mil estavam com seus pais, muitos dos quais entraram no nosso país ilegalmente em várias ocasiões”, afirmou Trump, no Twitter.

Donald J. Trump

@realDonaldTrump

We must always arrest people coming into our Country illegally. Of the 12,000 children, 10,000 are being sent by their parents on a very dangerous trip, and only 2000 are with their parents, many of whom have tried to enter our Country illegally on numerous occasions.

Quase 2 mil crianças separadas

De acordo com o governo de Washington, em um recente período de seis semanas, quase 2.000 menores de idade foram separados de seus pais ou tutores.

A ONU denunciou uma “violação grave dos direitos da criança” e pediu o fim de sua aplicação. Nesta segunda, o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos considerou a política “inadmissível”.

Projetos de lei

O presidente deve se reunir com parlamentares republicanos nesta terça antes de votações sobre a legislação imigratória. Trump e republicanos da Câmara dos Deputados devem debater dois projetos de lei cuja votação está marcada para a quinta-feira. Os dois foram formulados sem a participação dos democratas. Os republicanos controlam a Câmara, o Senado e a Casa Branca.

No entanto, segundo a Reuters, uma grande negociação no Congresso que finalmente resolva as divisões profundas relativas à lei de imigração parece improvável, já que Trump está focado na obtenção de fundos para construir um muro que promete há tempos na fronteira sul com o México.

Melania defende acordo

Neste domingo, a primeira-dama Melania Trump defendeu um acordo bipartidário para reformular as leis migratórias. No Congresso, a oposição democrata denuncia uma prática “diabólica”. O mal-estar também se instalou entre a maioria republicana.

A ex-primeira-dama Laura Bush, mulher do ex-presidente republicano George W. Bush criticou abertamente a abordagem republicana em um artigo publicado neste domingo no ” The Washington Post”.

Laura Bush

@laurawbush

I live in a border state. I appreciate the need to enforce and protect our international boundaries, but this zero-tolerance policy is cruel. It is immoral. And it breaks my heart.https://www.washingtonpost.com/opinions/laura-bush-separating-children-from-their-parents-at-the-border-breaks-my-heart/2018/06/17/f2df517a-7287-11e8-9780-b1dd6a09b549_story.html?utm_term=.c8b35f34ca34 

Opinion | Laura Bush: Separating children from their parents at the border ‘breaks my heart’

The zero-tolerance immigration policy is cruel and immoral, the former first lady writes.

washingtonpost.com

“Moro em um estado fronteiriço. Compreendo a necessidade de reforçar e proteger as fronteiras, mas esta política de tolerância zero é cruel. É imoral. E isso quebra o meu coração”, afirmou Laura.

Michelle Obama, mulher do ex-presidente democrata Barack Obama, retuitou o comentário de Laura Bush afirmando: “Às vezes a verdade transcende partido”.

Michelle Obama

@MichelleObama

I live in a border state. I appreciate the need to enforce and protect our international boundaries, but this zero-tolerance policy is cruel. It is immoral. And it breaks my heart.https://www.washingtonpost.com/opinions/laura-bush-separating-children-from-their-parents-at-the-border-breaks-my-heart/2018/06/17/f2df517a-7287-11e8-9780-b1dd6a09b549_story.html?utm_term=.c8b35f34ca34 

Fonte: G1

Compartilhar

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*