Polícia investiga caso de estudante espancado na saída da escola em Gravataí

Mateus Juber se deslocava de bicicleta para casa, quando três suspeitos começaram a agredi-lo, segundo a polícia. Caso está sendo investigado como tentativa de homicídio.

A Polícia Civil apura o caso de um estudante, de 19 anos, que foi espancado na saída da escola, na noite de terça-feira (9), em Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Mateus Juber se deslocava de bicicleta para casa, quando três suspeitos começaram a agredi-lo, segundo as autoridades.

Inicialmente, o caso era apurado como lesão corporal, mas pela gravidade dos ferimentos, a linha de investigação passou a ser tentativa de homicídio. Há um vídeo circulando nas redes sociais que mostra o momento em que ocorre a agressão. A polícia utiliza as imagens na investigação.

“Dois suspeitos já foram identificados, e talvez a gente identifique o terceiro hoje [sexta]”, afirma o delegado que investiga o caso, Eduardo Amaral.

Ele acrescentou que o motivo da agressão ainda está sendo apurado.

“Parece que tinha como fundo relacionamento, ciúmes por parte de um dos agressores. Mas não temos convicção, vamos esclarecer”, relata.

Mateus foi encaminhado em estado grave, com lesões na cabeça, para o Hospital Dom João Becker. A instituição relatou que ele realizou uma tomografia do crânio e, por enquanto, não há indicação de cirurgia. Continua internado na emergência, e está estável dentro do quadro.

A mãe de Mateus, Ana Juber, de 39 anos, conta que o filho não tem previsão de alta do hospital, e acrescentou que apesar de estar consciente, tem muita tontura, dor e sonolência.

“Ele está abalado, confuso, não conhece os ‘rapaz’ [que agrediram ele]. Primeiro ele achou que era um assalto”.

Ana contou que, pelo o que ouviu de pessoas da escola, o namorado de uma colega do filho teria ciúmes dele. A menina aparece no vídeo utilizado na investigação, conforme a mãe. Ela disse ainda que Mateus é um menino quieto e tímido.

“É muito triste, ele é desenhista, tatuador, passa o dia dentro de casa fazendo os desenhos dele. Muito tímido, respeitador, não se envolve com nada nem ninguém”, relata.

Mateus está há cerca de um mês estudando Escola Municipal Antônio Aires de Almeida, que fica no bairro Sagrada Família. A família mora em um loteamento novo em Gravataí. A mãe conta que não conseguiu transporte para o filho pelo fato dele ser maior de idade.

“Ele estuda de noite. Dá meia hora à pé, caminhando rapidinho. Ele pegou a bicicleta do irmão para ser mais rápido. Ele não conhece ninguém direito ainda na escola. Ele ficou um tempo sem estudar, agora ele voltou, está se dedicando”, conta.

“Se Deus quiser, polícia vai descobrir o resto. Espero que seja feita justiça, que eles sejam presos, punidos por isso. Eu falo com mãe. Mando meu filho para a escola, e acabo tendo que vir para o hospital cuidar dele. Meu filho está aqui até hoje”, desabafa.

G1 tentou contato com a escola por telefone, mas ninguém atendeu.

Fonte:G1

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*