Promotora de Justiça é transferida para Bagé e Alegrete recebe dois promotores substitutos


A promotora de justiça, Laura Regina Sedrez Porto, está de malas prontas. Depois de um ano e seis meses de intenso trabalho na Promotoria de Justiça, na última segunda-feira (9), cumpriu seu último dia de expediente na 3ª Capital Farroupilha.
Natural de Pelotas, ela foi transferida para cidade de Bagé, onde se apresenta no mês de outubro. A promotora recebeu a reportagem do Portal Alegrete Tudo no meio da tarde de ontem. Em sua sala, destacou a rápida adaptação em Alegrete. Com elogios à cidade, disse que gostou muito de morar aqui, cidade que achou ordeira, organizada e onde foi bem recebida desde os seus primeiros dias de promotoria. Destaca o trato com colegas de trabalho, comunidade e autoridades locais.
Ainda finalizando as últimas atividades do dia, revela que vai sentir falta do Alegrete, cidade da qual gostou desde o primeiro dia.


Durante este tempo, teve de abraçar duas promotorias, foi responsável pela primeira e segunda na esfera criminal. Com aproximadamente 5 mil processos criminais, foram oito júris em que a promotoria através do Ministério Público, pediu e foram acolhidas todas as teses apresentadas em plenário, sendo seis condenações, uma desclassificação e uma absolvição.
De longe, a promotora Laura faz referência a escassa realização de júris em relação ao montante de processos. Antecipa que com a chegada do novo Juiz da Comarca de Alegrete, previsto para o mês de novembro, o trabalho vai se intensificar.
O trabalho na promotoria criminal deve receber dois promotores ainda esta semana. Segundo a Dra. Laura, dois profissionais devem assumir em regime de substituição as promotorias criminais em Alegrete.
Com um trabalho na busca de verbas para melhorias no Presídio Estadual de Alegrete, a promotora foi atuante na colocação da tela, defendeu a importância da proteção, coibindo os constantes arremessos para o pátio interno do PEAL.
Quanto aos problemas da casa prisional, a promotora menciona que espera pela construção da nova prisão. Porém, alerta que as autoridades locais e comunidade devem lutar para manter o atual presídio, para abrigar a cadeia feminina, ou até local para presos do regime semiaberto.
Com o número de presos oscilando em quase 200 apenados, o novo presídio de Alegrete será inaugurado já com sua lotação quase esgotada. A promotora revela ainda que o número de detentos do regime semiaberto, que estão em prisão domiciliar aumentou e preocupa as condenações em que os acusados estão soltos sem cumprir a pena imposta pela Justiça.
Um dado apontado pelo Ministério Público, de 2019, é a redução de homicídios. De acordo, com a promotora Laura Sedrez, isso se deve especialmente à transferência de líderes dentro dos presídios, que comandavam facções e o elogiável trabalho conjunto entre Brigada Militar e Polícia Civil de Alegrete, que prestam um serviço padrão, destaca a profissional.
A promotora Laura Sedrez, conta que se despede com a certeza do dever cumprido. Foi ela que durante uma audiência no Fórum de Alegrete no final de agosto deu voz de prisão em flagrante para um testemunha que fez o juramento de falar somente a verdade, e se contradisse no depoimento. “Ele teria, em dado momento, assumido a culpa da posse de arma de fogo, cujo crime o réu está sendo acusado”, recorda a promotora.
Diante da situação, a promotora de justiça, Laura Regina Sedrez Porto, o autuou em flagrante. Ele estava prestando depoimento como testemunha de defesa de um preso.
Com dois promotores de justiça fixos no município, previstos para o mês de outubro na 2ª Promotoria e em dezembro para a 1ª, a promotora Laura Porto, fez questão de agradecer o carinho dos alegretenses e dizer um até logo.
Júlio Cesar Santos

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *