Tiane, que já teve obesidade mórbida, dá a receita para emagrecer mais de 60 kg


“No auge da obesidade cheguei aos 140 kg.  Com manequim 58, não tinha roupas prontas, tinha que improvisar e minha irmã era minha costureira. Nas lojas era uma dificuldade para tudo. Não tirava fotos, sempre fui muito tímida” – descreveu a jovem que está passando por uma grande transformação.

Tiane Carine Pires da Silveira, de 27 anos, já havia realizado uma consulta e solicitado uma avaliação para fazer cirurgia bariátrica, mas isso não aconteceu. Ela que durante anos sofreu com efeito sanfona, mais para acrescentar peso do que perder, tinha perdido às esperanças de conseguir chegar ao objetivo, sem um intervenção cirúrgica. Porém, há um ano tudo mudou radicalmente, depois de uma situação constrangedora em que a fez sentir vergonha, mas, também, muito medo. Tiani, por incentivo da irmã, passou a fazer magistério. No dia 19 de junho do ano passado, ela teve que se abaixar para falar com uma criança, foi então que sentiu um estalo na coluna e travou. Lembra que a dor foi imensa. Depois da aula foi chorando para casa. Assim que saiu da escola ligou para irmã e pediu ajuda. “Quando ela chegou na minha casa, eu estava deitada. Uma burrice, pensei que fosse ajudar a passar a dor. Além disso não acontecer, eu também não conseguia levantar, tive que rolar para sair da cama.  Uma situação deprimente.”- recordou.

Neste dia, procurou ajuda de um profissional na área da saúde(RPG), fez alongamento e ouviu que o excesso de peso foi a causa. Com pavor, medo e temor de ficar com problema sério na coluna, já que a grande maioria dos familiares passaram por cirurgia ou estão em tratamento, ela decidiu que iria mudar os hábitos alimentares.

Deu início a uma nova fase, uma guinada na vida. Até então, os 10 anos que havia frequentado nutricionistas não havia dado resultado. “Emagrecia oito, cinco quilos e ganhava 10. Mas esse resultado era em razão de ter uma alimentação desregrada. Não fazia o que deveria. Vivia à base de muito lanche e refri, uma Coca-Cola de 2litros era o mesmo que um copo de água”- citou.

Nos primeiros dois meses, Tiani, se emociona ao descrever o grau de dificuldade. Ela disse que passou fome, tinha momentos que o estômago parecia que estava “rasgando” de dor. O auto controle e a determinação foram essenciais e determinantes. Durante muitos dias ela chorou, sofreu, mas não desistiu. A reeducação alimentar aliada à caminhada começaram, aos poucos, mostrar o efeito positivo da persistência. Os primeiros quilos foram eliminados e a pressão arterial, que estava um pouco acima, normalizou.

Passados dois meses, um momento que marcou foi o dia em que a irmã ofereceu um copo de refrigerante. Ela começou a chorar, compulsiamente. Isso devido ao medo de provar e voltar a gostar de refri. Lembra que por muitos meses ficou em casa, não participou de jantares, festas e comemorações, por que estava focada no seu objetivo” – descreve a irmã, Cris Pires.

Responsável por confeccionar a maioria das roupas de Tiani, pela dificuldade de encontrar o tamanho, quando vestia manequim 58. Hoje, o manequim é 40.

Outro ponto muito relevante é o apoio da família. Casada, a jovem reconhece a ajuda e compreensão do marido e do filho de 4 anos.

” Moramos nas 4 Bocas. Lembro de uma ocasião em que eu não tinha guloseimas e refri para oferecer ao meu filho. Ele deveria ter uns dois anos, por algum motivo terminou e eu só vi mais tarde. Eu chorei, por que parecia o final dos tempos não ter isso para o pequeno, como se fosse o mais importante. Na atualidade, ele sabe que é água, suco ou leite. Mas, naquele período, tudo parecia ser movido a esses tipos de alimentos, os menos indicados” – falou Tiani.

Ela sorri ao citar que muitas pessoas não acreditam que ela é a gordinha de antes, parece que são pessoas distintas. Sem falar no fato de alguns familiares, conhecidos e amigos, a olharem como se ela estivesse doente. “Agora já deu né, pode parar de emagrecer, acho que está no momento de parar. Já está muito magra”, dentre outras observações que poderiam desestimular, mas ela está blindada e recebe como um elogio.

Com um belo sorriso e uma beleza natural, Tiani é mais uma demonstração de que a superação está ao alcance de todos que buscam um objetivo e, que a persistência, mesmo nos momentos mais delicados e difíceis, deve ser perseverada.

Flaviane Favero

Compartilhar

Curta nossa Fan Page

4 Comentários

  1. Parabéns Tiane! Fico muito feliz em ver essa mudança! Como fisioterapeuta é gratificante saber que pude de alguma forma colaborar! Que teu exemplo incentive muitas pessoas!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*