Transexual gaúcha presa no Egito é solta após pagamento de fiança

Mãe de Jhenifer aguarda o retorno da jovem ao Brasil

trans

A transexual gaúcha que estava presa em Cairo, no Egito, foi solta nesta terça-feira, de acordo com a advogada da família, Luciane Medeiros. Jhenifer Dalbosco, 28 anos, acusada de prostituição, deixou a prisão mediante o pagamento de fiança no valor equivalente a R$ 30 mil reais.

Segundo a defesa, Jhenifer, que trabalha como modelo em Portugal e na Espanha, foi ao Egito a passeio. Dias depois, amigos que residem na Europa ligaram para a mãe de Jhenifer, que mora em Porto Alegre, e comunicaram que ela havia sumido. De acordo com Luciane, um boletim de ocorrência foi registrado na Polícia Federal, e a Interpol foi acionada. A informação de que a modelo estava presa no Egito veio por meio do Consulado Italiano (a jovem tem dupla cidadania).

— O que sustentei desde o início é que não tinha provas sobre prostituição nos autos do processo. Ela foi ao Egito a passeio. Espero que ela volte ao Brasil na quinta ou sexta-feira. Aí vou ver com ela se houve maus-tratos — explica Luciane.

Jhenifer é a filha mais velha de Marlene da Silva Barbosa, 52 anos, moradora do bairro Rubem Berta.

— Ela ligou chorando para uma amiga dela. Disse que queria sair de lá. Gostaria que ela viesse ao Brasil. Estou desesperada para vê-la. No momento, não posso ir para lá — comenta Marlene, que trabalha como vendedora e tem outros dois filhos, um de 26 anos e outro de 20 anos, e ainda não teve a chance de falar com Jhenifer desde sua prisão.

Segundo Marlene, a filha não fez cirurgia de mudança de sexo e assumiu a identidade feminina há pouco mais de sete anos. Antes, Jhenifer Dalbosco era Sandro da Silva Barbosa.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *