Uma explosão que poderia ter sido trágica na Eurípedes Brasil Milano

Nove botijões armazenados de forma imprópria por muito pouco não provocam uma tragédia, na madrugada de quarta-feira(10).

A rapidez e a destreza da Corporação dos Bombeiros foi essencial para evitar que além do botijão de 2k que já havia explodido os  demais também viessem a explodir.

A guarnição foi acionada por volta das 3h50min., com a informação de que havia chamas numa peça nos fundos de uma casa, na rua Nossa Senhora do Carmo, cruzamento com Eurípedes Brasil Milano. No local também funcionava uma empresa.

No endereço os militares se deparam com fogo numa peça onde estavam armazenados gás P2( gás de cozinha). 7 botijões de 2 Kg e 2 botijões de 13kg. A preocupação além da segurança dos próprios militares devido a uma outra explosão também era com relação a duas outras residências que ficam muito próximas. Foi realizado um trabalho de resfriamento e contenção das chamas, para dessa forma não comprometer a integridade e segurança dos moradores. A equipe formada pelo sargento Vicente, soldado Borges e  Guerreiro, demorou cerca de uma hora para debelar as chamas e deixar o local em segurança, para que os outros botijões não viessem a explodir. Depois eles foram retirados e colocados em um pátio baldio, até a entrega feita à Defesa Civil.

O comandante, local,  sargento Moraes disse que o ideal e correto são dois botijões por casas. Um em uso e outro como reserva. Nesse caso, não houve uma explicaçao do motivo que o proprietário armazenava num ambiente fechado e fora das normas a quantidade encontrada de botijões. Até por que este de 2kg já esta em desuso e teve a venda proibida.

Conforme Moraes, os botijões de 13kg têm um válvula de segurança e isso evita a explosão. mas isso só acontece se o produto estiver com a válvula que é devidamente indicada. Porém os de 2kg não fornecem nenhum tipo de segurança e nos casos de explosões como essa, as consequências podem ser trágicas.”Não tem como mensurar o ângulo e todo estrago de um estouro. Coloca em risco a vida dos moradores e dos Bombeiros. É uma situação muito delicada” – explica.

As causas do incêndio são desconhecidas. A peça onde ocorreu o incêndio ficou parcialmente destruída. Quanto ao local ser autuado o comandante disse que os botijões estavam na parte da residência e que alguns estavam vazios.

Em conversa com a proprietária foi esclarecido que os botijões faziam parte de uma empresa, já extinta. No local não há mais comércio. Ela disse que o esposo comunicou a distribuidora responsável, porém devido ao desuso do botijão de 2kg, acabou ficando no local. Como toda residência a peça que ficou destruída era usada como depósito.

Compartilhar

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*