Unipampa faz projeto de energia solar na Santa Casa


O consumo e a conta de energia elétrica da Santa Casa de Caridade, onera os custos da Irmandade. Há dois anos a conta era de 23 mil, com os reajustes das tarifas e aumento de consumo, por conta dos vários serviços, hoje chega a 80 mil por mês. Fora o custo da parcela de 19 mil ao mês, de faturas anteriores com a antiga Concessionária.

Um projeto do curso de Engenharia Elétrica da UNIPAMPA, pode mudar esta realidade em 2018.

 

O Campus Alegrete entregou no último dia 29 de dezembro de 2017 à Direção do Hospital Irmandade da Santa Casa de Caridade de Alegrete, o trabalho de avaliação do potencial de eficiência energética e de micro geração, com base em recursos energéticos solares. Este trabalho, de acordo com o professor Dr.José Wagner Kaehler faz parte das atividades práticas da Disciplina de Complementação de Graduação – DCG: Eficiência Energética – da Avaliação Gerencial à Auditoria Energética, com 60h aula, complementada por outras 30 horas aula de atividades práticas em campo.

 

O objetivo é futuramente implantar, no Hospital, a geração de energia solar o que conforme a administradora da Santa Casa, Tailise Ribeiro Lemos em dois anos seria pago e, com isso, baixaria a menos da metade a conta de luz do Hospital. – Nós vamos correr atrás de mobilização política para conseguir estes recursos, em mais de 1,7 milhão de reais, adianta.

Ao lado da disciplina de Fontes Renováveis de Energia estas integram as atividades de ensino e extensão do Grupo de Pesquisa na Exploração Integrada de Recursos Energéticos – EIRE do Campus Alegrete desta UNIPAMPA.

O estudo com a participação de 20 alunos da disciplina, assim como de alunos de Iniciação Científica do GP-EIRE. De acordo com o professor, eles fizeram o levantamento dos dados, do consumo, instalações, analisaram e sintetizaram as informações. Também testaram, em laboratório, as tecnologias energéticas empregadas pelo serviço de engenharia de manutenção da Santa Casa.

Foram avaliados os serviços energéticos de uso final: Iluminação Interna, Condicionamento Ambiental, Produção de Água Quente Sanitária, Lavagem e Passadoria, Esterilização. A Fatura de Energia Elétrica anual em 2017 do HISCC totalizou R$ 682.829,20, sendo avaliado de forma bastante conservadora um potencial de redução para R$ 554.833,54 resultante de uma redução de demanda de 141,54 kW (42%) e de 159.991,62 kWh (16,1%).

O Projeto

Pelo relatório dos estudo, investimento a ser feito é estimado em R$ 278.157,70 retornável em 2,75 anos. Para este novo perfil de demanda e consumo de energia elétrica, prospectou-se o porte da instalação solar fotovoltaica que poderia suprir a energia requerida pelo Hospital.

As simulações executadas mostram que é necessário instalar 536 kW de painéis de 330Wp, o que demandaria 1.624 peças, cobrindo uma área de 3.300 m2. O investimento em um sistema deste porte em área de telhado, demandaria R$ 1.723.000,00 o que retornaria em 3,6 anos.

O  trabalho terá prosseguimento em fevereiro próximo, com a difusão do procedimento de diagnóstico energético e otimização para o corpo técnico do HISCC, assim como será aprofundado a análise das demandas e consumos das autoclaves de esterilização, assim como dos requisitos térmicos da lavanderia e passadoria. Estas cargas de serviços auxiliares,  diz Wagner, mas fundamentais numa instalação hospitalar são as que mais impactam na fatura de energia elétrica. “Finalmente, vale destacar que este trabalho, assim como outros efetuados pelo GP-EIRE, fazem parte da responsabilidade social e ambiental da UNIPAMPA, não tendo tido custo algum a instituição”.

Compartilhar

Curta nossa Fan Page

1 Comentário

  1. Gostaria de ver este estudo. Estando no mercado de geração distribuída há mais de 3 anos, acho muito difícil um sistema dar retorno em menos de 4 anos, ainda mais estando em média tensão. Também não entendi o motivo da diminuição da demanda contratada. Melhor rever este estudo pois está completamente fora dos padrões do mercado.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*