Vereador que denunciou suposto uso irregular de máquinas da prefeitura reafirma sua versão em CPI


Primeira testemunha depôs nesta segunda-feira na Câmara de Vereadores

Vereador Marion Mortari (de azul claro) foi a primeira testemunha ouvida pela CPI que investiga suposta irregularidade envolvendo a prefeitura de Santa Maria

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga possíveis irregularidades na utilização de máquinas e servidores públicos em propriedade particular ouviu, na tarde desta segunda-feira, o vereador Marion Mortari, que fez a denúncia por meio de um vídeo divulgado nas redes sociais.

Além do presidente da CPI, Valdir Oliveira (PT), do vice, João Kaus (MDB) e de Jorge Trindade (Rede), relator, o petista Daniel Diniz também participou. Eles fizeram várias perguntas a Marion durante cerca de uma hora. O vereador contou o fato ocorrido na manhã de 24 de fevereiro.

Segundo Marion, que foi a primeira testemunha ouvida, várias máquinas e servidores foram vistos por ele na Estrada Antônio Ovidio Severo, no Passo das Tropas, onde teria sido realizado serviço em uma propriedade particular. Esse foi o fato que deu origem à denúncia e à CPI. Marion também disse que viu duas cargas de pedra no local.

Marion afirmou que estranhou que os servidores se retiraram do local, parando o trabalho, logo que ele chegou.

– Se era um serviço legal, por que os servidores se retiraram do local? – questionou o vereador.

 

A prefeitura nega ter praticado irregularidade, alegando que fez uma parceria com moradores da região que teriam fornecido 250 litros de óleo diesel e 20 cargas de pedra para melhorar a estrada. As pedras teriam sido colocadas dentro da propriedade particular para não serem furtadas.

A próxima reunião da CPI será na quarta-feira, às 14h30min, no plenário da Casa.

Fonte: Diário de Santa Maria

Compartilhar

Curta nossa Fan Page

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.


*